BIT prevê aumento da pobreza extrema em África

Addis-Abeba- Etiópia (PANA) -- O número de trabalhadores africanos em pobreza extrema vai aumentar 20 por cento até 2015, segundo as últimas previsões do Bureau Internacional do Trabalho (BIT).
Em termos humanos, isto significa que cada dia 10 mil homens e mulheres africanas se acrescentam a estes trabalhadores que já vivem com as suas famílias em pobreza extrema com menos de um dólar americano por dia, declarou terça-feira em Addis Abeba o director- geral do BIT, Juan Somavia, durante a 11ª Reunião Regional do BIT para África.
Somavia declarou que África deverá criar 11 milhões de empregos por ano para atingir a taxa de desemprego equivalente às percentagens da média mundial de cerca de seis por cento até 2015, ano escolhido para a redução para a metade da pobreza em conformidade com os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM).
"As mulheres e os homens de África trabalham diariamente ao dirigir pequenos estabelecimentos comerciais na rua, ao laborar nos campos, ao criar pequenas empresas, ao se bater no sector informal, porém quatro em cinco deles não conseguem ganhar suficientemente a sua vida para tirar as suas famílias do limite de um dólar americano por dia", acrescentou.
Sublinhando que algo não funcionou na elaboração das políticas de emprego nos últimos 25 anos, Somavia defendeu que o crescimento de África com apenas alguns bons empregos é inviável.
"É por esta razão que é essencial a aprovação de políticas do espaço político nacional ao encontrar soluções africanas para os problemas do continente", considerou o director-geral do BIT.
Apesar da cooperação para o desenvolvimento internacional ser essencial e necessária para tirar África da pobreza, Somavia notou que ela era muitas vezes acompanhada de condições duras a respeitar.
"Estamos fartos da fórmula +deixem-me dizer-lhes o que é bom para vocês+.
Ela não funciona", acrescentou o director-geral do BIT.

25 Abril 2007 10:13:00


xhtml CSS