Banco Mundial oferece $ 130 milhões a Angola para agricultura

Luanda, Angola (PANA) - O Banco Mundial (BM) aprovou um empréstimo de 130 milhões de dólares americanos, para apoiar o governo de Angola nos seus esforços de desenvolver a agricultura comercial.

O financiamento aprovado no âmbito do Projeto de Desenvolvimento da Agricultura Comercial vai ajudar a aumentar a produtividade e o acesso ao mercado dos beneficiários elegíveis ao longo de dois corredores rodoviários que ligam a principal área agrícola do planalto central  aos demais mais importantes mercados urbanos da capital do país, Luanda.

De acordo com uma nota do BM citada pela agência angolana de notícias (Angop), o apoio financeiro do projeto  foi aprovado a 29 de maio passado, totalizando 184,5 milhões de euros  (equivalente a 230 milhões dólares americanos) financiados pelo empréstimo do Banco Mundial  no valor de 105,5 milhões de  euros (130 milhões de dólares americanos).

O projeto conta igualmente com um crédito da Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD) de 79 milhões  de euros.

Pequenas e médias empresas (PME) dos setores da agroindústria, mulheres e jovens rurais, para além das populações rurais nas áreas do projeto que vivem perto das estradas rurais reabilitadas, organizações empresariais e instituições académicas e de investigação irão também beneficiar  do  projeto.

“Graças aos substanciais recursos hídricos de Angola, à terra fértil e sua localização geográfica, não restam dúvidas de que a agricultura comercial pode contribuir consideravelmente para a necessária diversificação económica”, afirmou Olivier Lambert, gestor nacional do Banco Mundial em Angola.

Acrescentou que a aprovação deste projeto realça o compromisso do BM em prestar assistência a Angola, no que toca à garantia da sobrevivência económica nas comunidades rurais e o desenvolvimento de um setor agroindustrial competitivo, que possa aumentar a produção alimentar interna e geração de emprego.

O Banco Mundial considera ainda que a agricultura comercial é um setor emergente em Angola com elevado potencial, oportunidade e procura.

Com uma população crescente, maioritariamente urbana, prevê-se que os gastos em alimentos e bebidas aumentem nos próximos anos, em Angola.

Desta feita, o  projeto proposto deverá dar um forte contributo para a agenda da diversificação económica do Governo.

“Uma economia mais diversificada é absolutamente crucial para reduzir a vulnerabilidade do país aos choques do setor do petróleo e para criar oportunidades de emprego e de geração de rendimento em sistemas agroalimentares que ajudem a reduzir a pobreza extrema e a desnutrição”, lê-se no  documento.

-0- PANA IZ 01junho2018

01 Junho 2018 09:10:26


xhtml CSS