Ban Ki-moon convida Ouattara a formar governo de união na Côte d'Ivoire

Addis Abeba, Etiópia (PANA) – O Secretário-Geral  (SG) da Organização das Nações Unidas (ONU), Ban Ki-moon, convidou domingo  o candidato declarado vencedor da presidencial ivoiriense,  de 28 de Novembro último, pela Comissão Eleitoral Independente (CEI), Alassane Ouattara, a formar um governo de união nacional.

Falando na 16ª sessão ordinária dos chefes de Estado e de Governo em Addis Abeba, na Etiópia,, Ki-moon disse que o Presidente cessante, Laurent Gbagbo, perdeu as eleições neste país da África Ocidental e deve ceder o poder a Ouattara para o interesse da paz.

O seu plano de cinco pontos, anunciado no mesmo dia, para resolver a crise na Côte d'Ivoire, contém designadamente uma ajuda internacional a ser concedido ao Governo de Ouattara para o ajudar a enfrentar os problemas económicos neste país, o levantamento do bloqueio da operação das tropas onusinas e o respeito pelos direitos humanos na Côte d'Ivoire.

Ele disse aos dirigentes africanos que as ações levadas a cabo pela ONU e pela União Africana (UA) na Côte d'Ivoire terão um impacto sobre a imagem das duas organizações.

"Estas ações terão um impacto não apenas sobre a credibilidade das nossas organizações, mas também sobre as outras transições e eleições democráticas nas sociedades divididas", advertiu Ban.

No seu discurso, o Presidente francês, Nicolas Sarkozy, advertiu que a incapacidade da África de resolver a crise na Côte d'Ivoire será uma "tragédia" para todo o mundo.

"Os nossos destinos estão ligados, partilhamos os mesmos valores", disse.

Sarkosy exprimiu o apoio da França aos apelos para que Gbagbo deixe o poder no respeito pelos resultados eleitorais.

"A França apoia a posição da UA sobre a Côte d'Ivoire", disse o chefe de Estado francês, considerando que "a vontade livremente exprimida do povo ivoiriense  não deve ser desprezada".

Os dirigentes africanos, reunidos em  Addis-Abeba para uma cimeira de dois dias, deverão pronunciar-se sobre a orientação desejada dos esforços de mediação na Côte d'Ivoire até ao  mês de fevereiro.

A UA anunciou a criação duma comissão de cinco dirigentes africanos, dos quais o presidente da Comissão da UA, Jean Ping, para encontrar uma solução para esta crise.

Ping excluiu a possibilidade do uso da força para tirar Gbagbo do poder, declarando que seria "covardia" fazê-lo.

Ping disse sábado que nenhum país africano propôs tropas para empreender esta missão que consiste em destronar Gbagbo pela força.

-0- PANA AO/VAO/FJG/TBM/IBA/CJB/DD    31jan2011

31 Janeiro 2011 18:34:29




xhtml CSS