Baixa de preços de alimentos em destaque na imprensa senegalesa

Dakar- Senegal (PANA) -- A baixa dos preços dos produtos alimentares de base anunciada quarta-feira pelo Governo senegalês ocupa este sábado as primeiras páginas dos diários do Senegal, constatou a PANA.
Estas substanciais baixas aliviam as populações, estima o Le Soleil (diário governamental), sublinhando que o Governo quiz repercutar positivamente a real baixa no final de 2008 das cotações inflacionistas sobre os produtos básicos.
"A crise energética, financeira e, finalmente, alimentar tinha afectado os preços do arroz, alimento de base dos Senegaleses", recorda o Le Soleil.
Diante das dificuldades, o Governo tinha optado há muito tempo por um opoio ao consumo para conter a subida dos preços graças a subvenções que se revelaram rapidamente limitadas, explica o jornal.
Por sua vez, o Le Quotidien (diário independente) parece menosprezar o impacto destas baixas, quando as qualifica de "de efeitos chamativos".
O jornal contesta nomeadamente o facto de estes cálculos terem sido feitas com base nas altas registadas no mês de Julho passado.
"A amplitude das baixas registadas não pode ser medida em relação aos preços de Julho de 2008, enquanto a crise financeira mundial impôs uma baixa sensível dos produtos como hidrocarbonetos ou cereais a partir desta data", estima o Le Quotidien.
Do seu lado, o Le Matin (igualmente independente) considera "unilaterais" estas medidas e prediz um risco de veto dos comerciantes, dos importadores de arroz e, sobretudo, dos padeiros que exigem previamente uma baixa do preço da farinha.
Quanto ao Walfadjiri (também independente), ele estima que enquanto o preço do açúcar não baixar, o ministro do Comércio decreta a intocabilidade do açucar da Companhia Açucareira Senegalesa (CSS).
O ministro, prosseguiu o mesmo jornal, "refugiou-se atrás do peso dos investimentos da CSS para justificar a manutenção dos preços do açucar".

10 Janeiro 2009 14:06:00


xhtml CSS