BM oferece $ 20 milhões ao sector burundês das NTIC

Bujumbura- Burundi (PANA) -- O Banco Mundial vai doar 20 milhões de dólares americanos para o financiamento dum projecto de infraestruturas de comunicação (CIP-2) no Burundi, soube-se de fonte oficial em Bujumbura.
O projecto foi lançado oficialmente, sexta-feira de manhã, pelo segundo Vice-Presidente da República, também presidente da Comissão Nacional da Sociedade da Informação, Gabriel Ntisezerana.
O ministro burundês dos Transportes, Correios e Telecomunicações, Philippe Njoni, esteve igualmente presente na cerimónia para anunciar que o projecto incluía o cabo submarino "EASSY" com estações na África do Sul, em Madagáscar, na Tanzânia, no Quénia, na Somália, no Djibuti e no Sudão.
O projecto inclui igualmente o anel do leste-africano que vai ligar o Quénia, o Uganda, o Ruanda, o Burundi e a Tanzânia, assim como a rede "backbone" nacional dos diversos países, precisou ainda o ministro.
O objectivo global do projecto é baixar o custo do acesso à capacidade internacional de comunicação e estender a cobertura geográfica das redes de comunicação em alta velocidade, prosseguiu.
O segundo Vice-Presidente da República, por sua vez, sublinhou a "vontade política" do seu Governo e a sua preocupação em desenvolver o sector das telecomunicações e tecnologias da informação e comunicação, para que os cidadãos burundeses beneficiem das suas vantagens.
"A liberalização do sector das telecomunicações, a redução das taxas e direitos alfandegários na importação do material informático e de telecomunicações, a redução das taxas para as licenças de rádio-difusão, ou ainda as vantagens do código dos investimentos, são trunfos que traduzem esta vontade política do Governo cuja preocupação primeira é redinamizar os diferentes sectores da economia nacional", indicou.
"Os desafios a encarar são portanto vários, mas com esforços apoiados de boa governação, poderemos honrar os compromissos assumidos durante as cimeiras mundiais sobre a sociedade de informação ocorridas em Genebra, em 2003, e em Túnis, em 2005, de reduzir o fosso digital e tornar os serviços das telecomunicações e tecnologias de informação e comunicação acessíveis à grande maioria da população", acrescentou.
A representante do Banco Mundial na cerimónia e coordenadora do projecto CIP-2, Isabel Neto, considerou o sector das telecomunicações um "elemento chave do crescimento económico".
"O Burundi quer criar as bases duma economia sólida, sustentável e o Banco Mundial estára sempre do seu lado", prometeu.

20 Junho 2008 18:24:00


xhtml CSS