Avaliação do programa de luta contra a dracunculose no Mali

Bamako- Mali (PANA) -- Uma centena de participantes reuniramse recentemente na cidade de Askia (Mali) para fazerem a revisão anual do Programa maliano de Luta contra a dracunculose nas regiões de Gao e Tombouctou, soube-se de fonte segura em Bamako.
Entre os participantes, estão os eleitos locais, responsáveis administrativos e sócio-sanitários, pareceiros técnicos e financeiros, bem como representantes dos países fronteiriços do Burkina Faso e do Níger.
Em 2000, a zona registou apenas 139 casos de doença mas no ano seguinte, em 2001, contra toda expectativa, o número de casos aumentou consideravelmente para atingir 593.
A presente revisão tem como tarefa examinar as razões do retrocesso, um ano após a constatação do seu recrudescimento, da luta contra esta doença que deixa as pessoas inválidas.
Os participantes passaram a "pente fino" os relatórios apresentados sobre o estado do processo de luta em cada círculo das duas regiões de Gao e Tombuctou, e trocaram igualmente pontos de vista sobre as experiências no Níger e no Burkina Faso.
Tendo em conta os diferentes documentos apresentados e discutidos, a revisão reconduziu as tarefas de defesa a favor das acções de abertura de pontos de água potável e sugeriu a integração de todas as actividades incluídas no programa nacional de erradicação nos planos de acções anuais de todos círculos da zona.
Recomendou também a redinamização dos grupos intersectoriais locais de erradicação para a organização regular de reuniões mensais que congreguem todos os responsáveis administrativos, políticos, técnicos e tradicionais.
Outras tarefas específicas foram atribuídas ao círculo (região) de Gao que deverá aproximar os responsáveis dos distritos fronteiriços do Burkina Faso e do Níger, a fim de identificarem o período propício para a distribuição de filtros.
Por sua vez, o círculo de Rhaous foi convidado a organizar dos encontros periódicos com os responsáveis de Bourem, Douentza e Ténninkou.
A drancunculose, comummente chamada "verme da Guinée", é uma doença provocada pela chamada filária de Medina.
No princípio do século 20, a dracunculose estava espandida em numerosos países da África e da Ásia.
50 milhões de casos foram registados nos anos 50.
Graças aos esforços concentrados envidados pela comunidade internacional e pelos países endémicos, o número de casos de dracunculose foi reduzido para a cerca de 96 mil casos em 1999.
A dracunculose prevalece em 13 países de África, especialmente o Sudão, Nigéria, Gana, Burkina Faso, Níger, Togo e Côte d'Ivoire.
Um pequeno número de casos foi assinalado na Uganda, Benim, Mali, Mauritânia, Etiópia e Tchade.

05 Fevereiro 2003 19:34:00


xhtml CSS