Ativistas exigem demissão do novo inspetor-geral do Exército da RD Congo

Kinshasa, RD Congo (PANA) – A Organização não  Governamental "Voz dos Sem Vozes (VSV)" pediu segunda-feira ao Presidente congolês, Joseph Kabila, a demissão do general John Numbi das suas novas funções de inspetor-geral das Forças Armadas, pelo seu alegado envolvimento na morte de ativistas dos direitos humanos, em 2010.

Segundo o diretor-executivo da VSV, Rostin Manketa,  o general John Numbi é "o suspeito número um" no assassinato, em 2010, do militante dos direitos humanos  Floribet Chebeya, e do seu motorista Fidèle Bazana.

"A VSV pede ao chefe de Estado que demita das suas novas funções o general John Numbi. A VSV receia que ele esteja incumbido hoje de uma outra missão de represália contra os defensores dos direitos humanos”, disse Manketa.

Para a VSV, John Numbia não deveria beneficiar de "uma função tão importante", que está encarregada do respeito pelos direitos humanos.

"Esta nomeação representa um prémio à impunidade", afirmou o ativista congolês.

O Presidente da RD Congo, Joseph Kabila nomeou, sábado último, o general John Numbi inspetor-geral das Forças Armadas do país.

Antes dessa nomeação, Numbi foi inspetor divisionário da Polícia Nacional congolesa suspenso, quando compareceu em juízo para responder pelo assassinato de Chebeya e Bazana, no Tribunal Militar da Justiça, jurisdição que se revelou incompetente para julgá-lo, porque o seu grau militar era superior ao dos juízes militares.

Por causa desse impedimento, apenas o Alto Tribunal Militar era competente nessa matéria, pelo que acabou então por ser ouvido como "simples testemunha".

No entanto, a Justiça imputou a morte dos dois ativistas dos direitos humanos a cinco oficiais e suboficiais que trabalhavam sob as ordens diretas de John Numbi.

-0- PANA KON/JSG/FK/IZ 17julho2018

17 Julho 2018 10:02:39


xhtml CSS