Ano letivo inicia-se timidamente na RD Congo

Kinshasa- RD Congo (PANA) -- O ano letivo 2010-2011 iniciou-se timidamente segunda-feira aos níveis primário e secundário na República Democrática do Congo (RDC), apesar do apelo à retomada efetiva lançado domingo à noite pelo ministro congolês do Ensino Primário, Secundário e Profissional, Maker Mwangu, constatou a PANA no local.
As escolas que abriram as suas portas, embora com alguma timidez, são na sua maioria do setor privado e confissional católico, enquanto as do setor público continuam fechadas na sua maioria.
Os docentes do público decidiram boicotar o início das aulas para reclamar pelo pagamento dos seus salários de Agosto último e pela realização da promessa do pagamento atempado dos salários de Setembro corrente.
Outras reveindicações dizem respeito ao estatuto profissional, nomeadamente a transposição dos graus.
Diversas outras causas, entre as quais dificuldades para pais, maioritariamente não-pagos ou desempregados, de pagar propinas, nomeadamente custos de apretrechos escolares, a compra de batas, transporte para seus filhos para a escola, estão igualmente na base desta lentidão notada no início das aulas.
Para aliviar o peso do encargo escolar dos pais, o Governo congolês decidiu, na última semana, por ordem do chefe do Estado, Joseph Kabila, a gratuidade do ensino primário salvo para as cidades de Kinshasa (capital do país) e Lubumbashi, na província de Katanga (estremo sul do país).
O início das aulas concerne este ano na RDC a mais de 14 milhões de crianças, das quais mais de 10 milhões no primário e cerca de quatro milhões no secundário.

06 Setembro 2010 18:03:00


xhtml CSS