Annan apela Sudão para pôr termo ao conflito de Darfur

Nova Iorque- Estados Unidos (PANA) -- O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, declarou quinta-feira em Nova Iorque que o processo de paz iniciado pelo governo sudanês e pelo Exército de Libertação dos Povos do Sudão (SPLA) "não poderá realizar-se sem a resolução do conflito em Darfur (oeste do Sudão)".
"A paz será frágil sem a resolução da situação em Darfur", declarou.
Annan anunciou que a Organização das Nações Unidas pretendia enviar uma missão ao Sudão para trabalhar com as partes para a execução do acordo de paz que devem assinar.
"Estão manifestamente a fazer os últimos ajustamentos e daremos a nossa assistência para os ajudar a aplicar o acordo que assinaram", explicou.
Numa entrevista concedida à rádio da ONU, Kofi Annan deu a conhecer que iria nomear um representante especial que estaria no terreno para coordenar as actividades da ONU e supervisionar os seus esforços para a aplicação do acordo.
Declarou estar extremamente preocupado com o conflito de Darfur que comparou aos eventos que antecederam o genocídio ruandês de 1994.
"A situação em Darfur é extremamente preocupante", disse Annan indicando ter já pedido ao governo que assistisse as populações de Darfur.
Lembrou que cerca de um milhão de pessoas foram deslocadas e mais de 100 mil refugiadas no vizinho Tchad vizinho.
"É da responsabilidade do governo protegê-los, mas se não pode fazê-lo, deve preparar-se para pedir a assistência da comunidade internacional.
E a comunidade internacional deve assistir na protecção das populações", insistiu Annan.
"Estamos numa corrida contra o relógio devido à estação das chuvas", disse.

25 Junho 2004 11:19:00




xhtml CSS