Angola desmente ataques à sua embaixada em Kinshasa

Luanda, Angola (PANA) - O ministro angolano das Relações Exteriores, George Rebelo Chicoti, considerou falsas as informações sobre alegados ataques diretos, segunda-feira, às instalações da Embaixada de Angola, em Kinshasa, por manifestantes que exigiam a saída do Presidente cessante, Joseph Kabila, no final do seu mandato em dezembro próximo.

Em declarações à imprensa angolana, no termo de um encontro com o seu homólogo congolês, Raymond Tchibanda, Chicoti afirmou que os funcionários da Embaixada de Angola continuam a trabalhar, embora, frisou, suas famílias tenham sido evacuadas para Brazzaville, no vizinho Congo, por uma questão de prevenção.

Quando a situação estiver completamente normalizada, elas regressam a Kinshasa, tranquilizou o diplomata angolano.  

Declarou que Angola não está implicada nas manifestações de segunda-feira última em Kinshasa, que resultaram na morte de 50 pessoas, e que também não tem tropas na República Democrática do Congo (RDC), como se propala em alguns círculos.

"Angola, tal como muitos países, tem estado somente a acompanhar a evolução do processo de diálogo na RDC. Angola encoraja o Governo a prosseguir com o diálogo político nacional apesar de a oposição se recusar a fazer parte", indicou o chefe da diplomacia angolana.

A propósito, o ministro angolano das Relações Exterior disse ter sido informado de que o Governo congolês vai manter o diálogo aberto aos líderes da oposição com vista à busca de um acordo e manter a sua autoridade e a ordem pública no país.

Também falou da atualização do ficheiro eleitoral e de outras ações decorrentes do próprio processo eleitoral em curso neste país.

A seu ver, há um progresso importante deste processo que Angola encoraja porque "pensamos que o diálogo é a única via".

-0- PANA DD/IZ 26set2016

26 Setembro 2016 10:08:18


xhtml CSS