Amnistia Internacional pede libertação de 18 adversários políticos ivoirienses

Paris, França (PANA) - A Amnistia Internacional (AI) pediu às autoridades ivoirienses a libertação imediata de 18 oponentes políticos detidos, sexta-feira,  por terem participado numa  manifestação de protesto pacífica para exigir a reforma da Comissão Eleitoral Independente (CEI).

"Restrições sistemáticas ao direito de manifestação pacífica, direito garantido pela Constituição, demonstram a determinação das autoridades de silenciar qualquer voz dissidente. Na falta de acusação de um delito legítimo com base em provas  suficientes, todas as pessoas detidas devem ser imediatamente libertadas", declarou a Amnistia Internacional.

Na sexta-feira, a coligação Juntos pela  Democracia e Soberania (EDS) pediu uma manifestação pacífica para exigir a reforma da CEI, mas as autoridades  dispersaram-na por alegada falta de autorização, e mais de 40 pessoas, incluindo Jean Gervais Tcheidé, vice-presidente da Frente Patriótica ivoiriense (FPI, oposição), e Oula Anselme do mesmo partido, foram detidas.

Algumas das pessoas detidas foram libertadas, mas 18 continuam ainda sob captiveiro.

A manifestação não foi autorizada, apesar das discussões entre a oposição e as autoridades para decidir sobre o seu itinerário, e foi apenas no dia anterior, muito tarde, que a proibição foi comunicada, lamentou a AI.

Por outro lado, no mesmo dia, o jornalista-blogueiro Daouda Coulibaly foi agredido e capturado  pela Polícia que o deteve momentaneamente, antes de o libertar, quando cobria a apresentação de uma moção da oposição.

"Os perpetradores desse ataque contra o jornalista devem ser identificados e levados à Justiça  para  julgamentos justos", declarou a organização de defesa dos direitos humanos.

-0- PANA BM/DIM/IZ 25março2018

25 Março 2018 10:34:11


xhtml CSS