Agricultores satisfeitos com aumento de produtividade na Swazilândia

Mbabane, Swazilândia (PANA) – Agriculturores da Suazilândia dizem-se satisfeitos pelo aumento da produtividade graças ao esforço global envidado pelo seu Governo e pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), com o concurso da União Europeia (UE).

Após anos de seca, uma pandemia desvastadora da sida, décadas de recessão económica e a subida recentemente dos preços de produtos alimentares e de instrumentos  agrícolas, ganhar o seu pão, para a população rural pobre na Swazilândia e fortemente dependente da agricultura de subsistência, tornou-se num verdadeiro desafio.

Segundo as últimas cifras da FAO sobre a fome, perto de 20 porcento da população deste país da Africa Autral, que conta um milhão de habitantes, está subalimentada.

Desde 2009, a UE apoia uma iniciativa de grande envergadura do Governo e da FAO visando elevar os níveis nutricionais da população rural e estimular a sua potencialidade de crescimento ecónomico.

Batizado Projeto de Desenvolvimento Agrícola da Swazilândia (SADP), este empreendimento quinquenal é dotado de mais de 14 milhões e 350 mil euros, dos quais 14 milhões desembolsados pela União Europeia.

"Fundamentalmente, o SADP interessa pequenos agricultores. Não podemos acabar com a pobreza rural se não dermos prioridade aos pequenos agricultores", explica Nehru Essomba, conselheiro técníco e chefe do projeto.

Ele considerou que ligar os agricultores ao mercado é uma implicação principal.

A proximidade do país com a África do Sul e as suas grandes fazendas fazem da Swazilândia um ambiente extremamente competitivo.

O SADP está a preparar um fundo de investimento cifrado em um milião de euros destinados a apoiar a comercialização de produtos e, em particular, promover culturas ecológicas para oferecer aos pequenos camponeses uma vantagem comparativa no mercado.

Ao mesmo tempo, o SADP contribui para divulgar boas pratícas agricolas, essenciais para aumentar a produtividade, preservando o ambiente e diminuindo a pressão exercida sobre os recursos naturais limitados do país.

Até agora, mais de dois mil agricultores aprenderam várias práticas, das quais a agricultura de conservação ou agroflorestal, indica-se.

-0- PANA SEG/NFB/JSG/DIM/DD 21setembro2012

21 Setembro 2012 17:19:31


xhtml CSS