Agricultores santomenses manifestam-se contra impunidade de meliantes

São Tomé, São Tomé e Príncipe (PANA) - Mais de dois mil pequenos agricultores santomenses produtores de cacau biológico manifestaram-se quarta-feira pelas ruas da capital do país, São Tomé, para denunciar a "lentidão" da Polícia de Investigação Criminal (PIC) na recuperação de cerca de 30 mil euros da sua cooperativa atualmente na posse de assaltantes a monte.

Em declarações à PANA em São Tomé, o porta-voz da Cooperativa de Agricultores e Exportadores de Cacau Biológico (CECAB), Amilton Campos, disse ser entendimento dos agricultores que "a Justiça tem facilitado a vida aos assaltantes".

Segundo ele, acredita-se inclusive que a Polícia terá colaborado com os assaltantes na operação e que a viatura do comandante do posto da Polícia em Guadalupe, zona norte de São Tomé, "transportou os bandidos".

Campos classificou de "farsa" a greve em curso na PIC que entrou esta quinta-feira no seu 30.º dia. "É um mecanismo dilatório para facilitar a vida aos ladrões", sentenciou.

Os cerca de dois mil e 50 agricultores penalizados no assalto pedem "uma Justiça séria e uma Polícia capaz de credibilizar o sistema".

“É o nosso suor que está em causa, mas a PIC alega que tem informações e que não pode partilhar connosco, uma vez que elas não podem sair para fora”, indicou Amilton Campos no final da manifestação que começou diante das instalações da PIC e terminou defronte à Televisão Santomense (TVS) escoltada por dezenas de agentes da ordem pública.

Insistindo na acusação contra as autoridades de não zelarem pelos seus interesses, os  agricultores dizem que se soubessem o paradeiro dos assaltantes, poderiam capturá-los.

Uma carrinha da CECAB dirigida pelo seu presidente com cerca de 30 mil euros foi intercetada pelos assaltantes em finais de Novembro, quando se dirigia ao Monte Forte (zona norte), sede da Cooperativa, a fim de efetuar pagamento aos agricultores.

-0- PANA RMG/IZ  18dez2013

19 Dezembro 2013 07:33:59


xhtml CSS