Agressão de jornalistas suscita indignação geral no Senegal

Dakar- Senegal (PANA) -- Várias organizações dos direitos humanos criticaram segunda-feira a agressão com matracas eléctricas de dois jornalistas desportivos senegaleses, sábado no Estádio Léopold Sédar Senghor de Dakar, por elementos da Brigada de Intervenção Polivalente da Polícia, encarregue de garantir a segurança do jogo de futebol entre o Senegal e a Libéria.
Os dois jornalistas senegaleses, Boubacar Kambel Dieng, chefe do desk desportivo da Radio Futurs Médias (RFM) do músico Youssou Ndour, e Kara Thioune da West Africa Democracy Radio, foram batidos por polícias depois do jogo que se saldou por uma vitória do Senegal diante da Libéria por 3-1.
Quando os jornalistas queriam entrar na zona mista para entrevistas após o jogo, o repórter da RFM foi literalmente batido por polícias à paisana e munidos de matracas eléctricas, informaram vários profissionais da imprensa local.
Reagindo a esta agressão, a Associação Nacional da Imprensa Desportiva (ANPS) senegalesa exprimiu a sua "indignação".
A ANPS denunciou, num comunicado publicado segunda-feira, "a agressividade" dos elementos da segurança contra os dois jornalistas e "condena com a última energia este comportamento ainda mais por ela ter ocorrido na zona mista".
Por seu turno, o Sindicato dos Profissionais da Informação e Comunicação do Senegal (SYNPICS) condena "de maneira vigorosa" a agressão e prometeu dar uma sequência judiciária a este caso.
O Encontro Africano para a Defesa dos Direitos Humanos (RADDHO), ONG sediada em Dakar, julgou "deplorável" a situação e pede a abertura dum inquérito para "encontrar os culpados e perseguí-los" diante dos tribunais.
O RADDHO "condena vigorosamente estas práticas bárbaras" que violam o direito da informação e "prejudicam gravemente o exercício livre da profissão de jornalista".
A organização de defesa dos direitos humanos "exige o banimento da utilização pela polícia de matracas eléctricas hoje assimiladas à tortura".
O Governo reagiu igualmente a esta agressão.
O ministro de Estado encarregue do Interior, Cheikh Tidiane Sy, e o seu colega encarregue da Informação e porta-voz do Governo, Aziz Sow, condeneram esta agressão e anunciaram a abertura dum inquérito.
A RFM divulgou domingo e segunda-feira o registo audio da agressão do seu jornalista e apresentou uma queixa junto do Procurador Geral da República.

24 Junho 2008 09:52:00




xhtml CSS