Academia de Letras proclamada em Cabo Verde

Praia, Cabo Verde (PANA) -  A Academia Cabo-verdiana de Letras (ACL), um sonho antigo dos escritores das ilhas, vai ser proclamada oficialmente no próximo dia 25 de setembro na cidade da Praia, soube a PANA, terça-feira, de fonte do núcleo fundador da instituição.

A ideia de fundar uma Academia de Letras no arquipélago, a primeira organização literária do género nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), foi lançada numa assembleia da Associação de Escritores Cabo-verdianos há mais de quatro anos, mas, por razões diversas, só muito recentemente o projeto foi retomado por um núcleo fundador liderado pelo poeta Corsino Fortes.

De acordo com os seus promotores, a ACL é uma entidade que visa promover as línguas faladas em Cabo Verde, a cultura das ilhas, ao mesmo tempo que pretende valorizar e enriquecer o património literário cabo-verdiano.

Um dos objetivos da ACL é, para além de contribuir para o enriquecimento da literatura cabo-verdiana, despertar nos jovens o interesse pela leitura e pela escrita.

A academia, ao contrário de uma associação, reúne apenas os escritores de “reconhecido mérito nacional” donos de obras com notoriedade, que já foram objeto de prémios nacionais e internacionais ou estudadas por investigadores nacionais e estrangeiros.

O trabalho de seleção dos membros a serem admitidos caberá a uma comissão de candidaturas a ser criada e que dotará a ACL de um regulamento próprio para o efeito.

De acordo com um dos promotores, a ACL “irá criar não só a categoria dos membros correspondentes como também relacionar-se com academias de outros países, nomeadamente lusófonos”, para ampliar o seu espaço de estudo, partilha e enriquecimento cultural e literário.

No entanto, o grande desafio da futura ACL, que também tem como missão dar a conhecer a história da literatura universal, promover as obras dos escritores “imortais” e fomentar a investigação no domínio literário, será “criar um prémio prestígio que deverá contribuir para a visibilidade do país no exterior”.

O Presidente da República, Jorge Carlos Fonseca, com obras poéticas já publicadas, é uma das personalidades que foi convidadavpara integrar a ACL.

Depois de receber o núcleo fundador, Jorge Carlos Fonseca frisou que  "quando se integra nessa lista personalidades como Eugénio Tavares, Pedro Cardoso, António Carreira ou Sérgio Frusoni, isso também ajuda a avivar o registo e a memória daqueles que contribuíram de alguma forma para a afirmação da própria Nação cabo-verdiana".

Por seu lado, o primeiro-ministro cabo-verdiano, José Maria Neves, considerou a ACL de  grande iniciativa e um pilar importante da República.

Segundo ele, a literatura cabo-verdiana tem uma “dimensão internacional” e, para se fazer jus a esta realidade, “vale a pena ter uma academia de letras para imortalizar todos aqueles que criaram e deram novos mundos à nação global cabo-verdiana”.

-0- PANA CS/TON 03 set 2013

03 Setembro 2013 21:04:40


xhtml CSS