Abertura do festival de livre expressão teatral em Douala

Douala- Camarões (PANA) -- O quarto festival internacional de livre expressão teatral, geralmente chamado "Festi-forum", abriu terça-feira, em Douala, com a participação de vários países da África Central e Ocidental.
Este encontro, que vai durar cinco dias, vai permitir aos participantes fazer um diagnóstico do teatro africano, examinando os problemas que impedem o seu desenvolvimento.
"Tratará, através dum certo número de inovações, interessar o público africano e estrangeiro pela arte teatral africana", indicou o presidente do comité de organização, André Mbang.
Assim, explicou, por outro lado, a arte cénica será questão para o público descobrir as novas expressões teatrais feitas por palavras e gestos, o objectivo e a linguagem que as vezes caracterizam os autores dramáticos africanos.
Mbang sublinhou a necessidade de dar à arte africana "uma nova dimensão, quer dizer uma orginalidade e uma identidade próprias que não sejam esta maneira de hibridismo entre os valores culturais africanos e a cultura ocidental".
As organizadores prevêem ateliers consagrados unicamente à "reflexão sobre os desafios da arte teatral africana face à influência exterior" com a participação de criadores, cenaristas, sociólogos, homens de cultura e jornalistas da crítica cultural.
O objectivo prosseguido é "a re-apropriação da cultura africana pelos africanos" segundo os organizadores que desejam, por outro lado, a promoção das línguas africanas.
Além dos Camerões, os participantes no festival vêm de países como o Benim, R.
Centro-Africana, Congo, Gabão, Guiné, Mali, Senegal e o Tchad.

22 Outubro 2003 20:33:00


xhtml CSS