ACNUR convida sudaneses a pôr termo à guerra em Darfur

Cartum- Sudão (PANA) -- O Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados, António Gueterres, em visita de 10 dias ao Sudão convidou no fim-de-semana o governo sudanês e os rebeldes de Darfur a assinar rapidamente um acordo de paz para permitir os dois milhões de refugiados regressar às suas casas.
Guterres exortou igualmente a comunidade internacional a favorecer as negociações de paz para o regresso da estabilidade a Darfur assolada, há dois anos, por uma guerra que matou 180 mil pessoas, deslocou internamente cerca de dois milhões de outras e fez 200 mil refugiados no vizinho Tchad.
As negociações de paz patrocinadas pela União Africana que deverão retomar brevemente na capital nigeriana, Abuja, foram suspensas em Julho passado após a assinatura da Declaração de Princípio entre os beligerantes para pôr termo à guerra.
"Pensamos que há uma janela de oportunidade aberta e a comunidade internacional deve trabalhar rapidamente para impedir esta janela de se fechar novamente", declarou Guterres que reconhece, contudo, não ser possível chegar à paz até ao final deste ano.
O responsável máximo do ACNUR insistiu na necessidade de prestar a atenção da comunidade internacional ao Sudão, um país "um pouco esquecido" a favor das outras crises humanitárias no mundo.
"Lançamos um apelo à comunidade internacional para ajudar a encontrar a paz no Sudão e criar as condições necessárias com vista ao regresso dos refugiados", declarou durante um encontro com os refugiados e com as populações locais.
Ex-primeiro-ministro português, Guterres deverá visitar ainda o sul do Sudão assolado por uma guerra que dura há duas décadas e que fez mais de um milhão e 500 mil mortos, quatro milhões e 500 mil deslocados internos e 500 mil refugiados no Quénia, no Uganda e na RD Congo.

28 Agosto 2005 12:46:00




xhtml CSS