A paz e a segurança é tema da reunião da NEPAD em Abuja

Abuja- Nigéria (PANA) -- O presidente nigeriano, Olesengu Obasanjo, sublinhou Domingo a importância da paz e da segurança que constituem, do seu ponto de vista, as condições necessárias para a erradicação da pobreza em África.
Obasanjo dirigia-se assim à quinta cimeira da comissão dos chefes de Estado e de governo encarregues pela implementação da Nova Parceria para o desenvolvimento de África(NEPAD), realizada domingo em Abuja.
O dirigente nigeriano, que é também o presidente da Comissão, estava ladeado pelos presidentes Thabo Mbeki da África do Sul, Festus Mogae do Bostwana, Joaquim Chissano de Moçambique, Paul Kagamé do Rwanda e Abdoulaye Wade do Senegal, bem como pelo primeiro ministro etíope Meles Znawi.
Treze outros dirigentes africanos enviaram representantes à esta reunião em cuja abertura o presidente Obsanjo apresentou o seu principal tema do dia, realcionado com os problemas da paz, da segurança e da estabilidade no continente.
"Nós na NEPAD reconhecemos que a paz e a segurança são um pressuposto para a erradicação da pobreza e à promoção de um rápido desenvolvimento económico", disse, sublinhando ser contudo lamantável que até ao momento, a África continue a ser fustigada pelo problema da insegurança, instablidade, a guerra e os conflitos, não obstante apesar todos nossos esforços".
A título de exemplo, disse, "enquanto recentemente registaram-se progressos reconfortantes na República Democrática do Congo (RDC), no Sudão, em Angola e mesmo na Somália, a situação actual na Cote d'Ivoire, na República Centroafricana(RCA) e no Madagáscar são fontes de grandes preocupações".
Obasanjo fez notar que as hostilidades retornaram na Libéria e na RCA e convidou a cimeira a discutir sobre as vias e os meios de promover o diálogo e uma solução negociada para esses conflitos de África.
"O sucessso que registamos na Serra Leoa é um testemunho eloquente do que é possível nessas situaões de guerra, desde que todas as partes envolvidas façam prova da sua vontade política", afirmou.
O número um nigeriano apelou ao refrorço do acto constitutivo da União Africana, que estipula o não-reconhecimento das mudanças de governo anti-constitucionais, a inssureição rebelde e a subversão como forma de parar com as situações de insegurança e de conflito no continente.
"Devemos também estar preparados, no espírito da NEPAD, a implantar a democracia, o Estado de direito e a boa governação real em todas suas ramificações", acrescentou.
O presiedente Obasanjo reafirmou que o que se pretende na NEPAD não é nem a caridade nem o partenalismo.
"Nós apenas queremos ser capazes de assumirmos o nosso destino económico e social e participar em pé de igualdade na economia mundial", acrescentou.
Segundo o presidente da Nigéria, a África necessita de ajuda para reforçar as suas capacidades em todos os domínios prioritários contidos no documento-quadro e no programa de acção do NEPAD.
"Da nossa parte, nós estamos determinados a fazer de forma a que a NEPAD não conheça a sorte dos nossos progrmas passados concebidos por nós", assegurou Obasanjo.

02 Dezembro 2002 19:34:00


xhtml CSS