2003 será o ano da África, segundo Amara Essy

Adis Abeba- Etiópia (PANA) -- O presidente interino da Comissão da União Africana (UA), Amara Essy, afirmou quarta-feira que o ano 2003 poderá ser o ano da África, lê-se num comunicado do secretariado da União Africana, publicado por ocasião do Ano novo.
Amara Essy afirma que as tendências positivas registadas em 2002 (em África) tornam ainda mais brilhantes as perspectivas do ano 2003.
Citado neste documento do Secretariado da UA, ele sublinha que "os grandes momentos que vivemos em Durban em Julho 2002, incitam-nos a redobrarmos esforços, tomando a sério os desafios que ainda persistem no nosso continente".
"É o mesmo espírito que hoje impulsiona os esforços incansáveis que consentimos para garantirmos a unidade e o desenvolvimento", prosseguiu Amara Essy no seu comunicado.
Fez também menção dos factores negativos que afectam o continente, como o flagelo da guerra, o mais importante obstáculo aos esforços do desenvolvimento da África.
Referiu-se igualmente ao ressurgimento do terrorismo, um fenómeno que está na base de inúmeras perdas de vidas humanas e muitos sofrimentos.
Amara Essy preconiza uma luta contra estes actos de cobardia insensatos e irracionais, porque as vítimas são civis inocentes e indefesos.
Na vertente do HIV/SIDA, o presidente interino da Comissão da UA apelou para uma verdadeira guerra contra esta pandemia em África.
Convidou os povos africanos a maior solidariedade para enfrentarem as catástrofes naturais, nomeadamente a seca e a fome, que assolam certas regiões do continente.
Na esteira económica, disse ser esperançado de que as tendências positivas constatadas confirmem-se em 2003 e que a Nova parceria para o desenvolvimento da África (NEPAD) seja consolidada para favorecer o renascimento e o desenvolvimento do continente.
Enfim, Amara Essy saudou as proezas das equipas africanas no Mundial 2002, disputado na Coreia do Sul e no Japão.

01 Janeiro 2003 21:14:00




xhtml CSS