20 países africanos vítima de poluição atmosférica

Kigali- Ruanda (PANA) -- Novas estimativas publicadas pela Organização Mundial da Sáude (OMS) indicam que nos 21 países mais afectados, sobretudo em África, a poluição do ar no interior das habitações ocasionou perto de cinco por cento da mortalidade e da morbidade.
As primeiras estimativas por países da carga de morbidade devidas à poluição fazem realçar o efeito considerável da utilização de combustíveis na saúde e no bem-estar da população no mundo inteiro.
Entre os 20 países africanos mais afectados citados neste relatório citam-se Angola, o Benin, o Burkina Faso, o Burundi, os Camarões, a Eritreia, a Etiópia, Madagáscar, o Malawi, o Mali, a Mauritânia, o Níger, o Uganda, a RD Congo, o Ruanda, o Senegal, a Serra Leoa, o Tchad e o Togo.
De acordo com os resultados das investigações da OMS, a poluição provoca um milhão e 200 mil mortos anuais porque a nível mundial a dependência dos combustíveis sólidos constitui uma das ameaças mais importantes para a saúde pública.
Foi demonstrado que a nível mundial mais de três biliões de pessoas utilizam para cozinhar e aquecer-se combustíveis sólidos, nomeadamente os combustíveis biomassa (madeira, bosta de vaca e resíduos agrícolas) e carvão.
"Uma relação foi estabelecida entre a exposição à poluição no interior das habitações devida aos combustíveis sólidos e numerosas doenças, em particular a pneumonia da criança e as afeições respiratórias crónicas no adulto", afirmaram os pesquisadores.

02 Maio 2007 12:20:00


xhtml CSS