10 mil pessoas fogem para Mogadíscio devido a intensos combates na Somália

Mogadíscio, Somália (PANA) – Mais de 10 mil pessoas viram-se obrigadas de fugir das suas zonas de origem nas províncias de Bas e de Médio Shabelle, no centro da Somália, devido a bombardeamentos aéreos e combates terrestres em novembro corrente, deplorou segunda-feira o Conselho Norueguês para os Refugiados (CNR).

« Nós assistimos a um aumento espetacular das chegadas de famílias que fogem de combates nos campos sobrelotados de Mogadíscio. Os campos já estão demasiado cheios de pessoas afetadas pela seca e que sobrevivemo apenas em abrigos frágeis”, afirmou o diretor local da organização humanitária internacional, Victor Moses.

« O choque sentido pelas pessoas que fogem ao mesmo tempo do conflito e da seca é duplo, o que significa que elas devem suportar crises múltiplas ao mesmo tempo, e isso pode vulnerabilizá-as ainda mais», alertou o responsável desta organização.
  
As tensões nos distritos de Bal’ad e de Afgooye resultaram num conflito aberto em novembro corrente.

Além disso, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), um aumento alarmante de casos de extorsão, de tortura, de abusos sexuais e de restrições de movimento foi assinalado a nível das barragens rodoviárias e dos postos de controlo instalados devido ao conflito.

Muitas famílias fugiram durante as tréguas nos combates para a cidade capital, Mogadíscio.

« O Conselho Norueguês para os Refugiados está extremamente preocupado com o impacto humanitário dos combates e dos bombardeamentos aéreos que ocorreram numa altura em que as necessidades se fazem cada vez mais sentir", indica Moses.

A ajuda chega a numerosos Somalis nos campos em torno de Mogadíscio, mas não a todo o mundo, o que afugenta particularmente estas famílias confrontadas recentemente com  combates. As famílias “recém-chegados” precisam com urgência de abrigos, de água e da alimentação, acrescentou.

Mais de um milhão de pessoas, prosseguiu, foram deslocadas de forma interna na Somália desde janeiro, essencialmente devido à seca mas também ao conflito,  à insegurança e a inundações.

A crise intensificou-se durante este ano e a metade da população, ou seja mais de seis milhões e 700 mil pessoas, precisam agora de ajuda alimentar contra seis milhões 200 mil registadas no início do ano de 2017, indica-se.

-0- PANA MA/NFB/JSG/FK/DD  27nov2017

27 Novembro 2017 14:14:24




xhtml CSS