"Problemas de saúde" do Presidente Eyadéma fazem manchete no Togo

Lome- Togo (PANA) -- A recente viagem do Presidente togolês à Itália para "uma visita privada" foi muito comentada pela imprensa, esta semana em Lomé.
O diário governamental Togo Presse, na sua edição de um de Setembro, titula na primeira página e sem foto, "Presidente Eyadéma regressou ao país, vindo da Itália", um tratamento pouco habitual que suscita curiosidade.
Nunca um regresso de viajem do Presidente togolês foi publicado sem ilustração e sem as múltiplas e diversas audiências dadas a personalidades do país anfitrião.
Investigando um pouco, Motion d'Information escreve aquilo que a imprensa hesita em revelar: "Eyadéma de volta depois uma estadia médica na Itália".
O jornal escreve que o General sofria de um "problema de garganta grave que inicialmente foi assimilado a uma angina", citando uma fonte anónima.
Motion d'Information acrescenta que "a doença do General Eyadema tornou-se um segredo de polichinelo que as autoridades togolesas têm cada vez mais dificuldade em esconder".
La Tribune du Peuple sublinha que "é o fim do mito", e publica arquivos, declarações do chefe de Estado referindo que nunca adoeceu, salvo na sua infância onde teve "uma crise de disenteria".
Com ironia, comenta: "um tal homem só pode ser um super-homem, em todo caso", mas sublinha o semanário referindo-se às imagens do regresso mostradas pela televisão nacional que "os curiosos acreditaram ver um homem que perdeu um pouco da sua forma".
Por seu turno, Le Combat du Peuple trata deste assunto delicadamente e escreve que "o Presidente Eyadéma, por várias razões, é considerado no cenário político togolês, africano, até mesmo mundial, como um grande".
Não se pode então, sublinha, "afogar ou esconder uma informação sobre um homem desta dimensão".
Akéklé que titula "Por que se tenta criar segredo sobre a saúde do Chefe do Estado?", escreve que "o timoneiro está mal", mas afirma não saber ainda de que sofre.
Le Regard que denuncia o segredo de Estado que se tornou uma doença de chefe em África, escreveu que "em princípio, o anúncio da hospitalização dum chefe de Estado não deveria ser um problema desde que aqueles que nos dirigem não são extraterrestres".
O General não está doente, tenta confirmar Echos d'Afrique para quem, "esta deslocação sem solenidade, ocasionou muitas especulações".
Por outro lado, quase cada ano, sublinha Echos d'Afrique, "os Chefes de Estado durante as suas férias efectuam viagens no exterior mas isso não levanta muita curiosidade como é no nosso país" antes de concluir que "aparentemente, o homem parace mais do que nunca igual a si mesmo e determinado em prosseguir o combate que assumiu há 36 anos.
.
.
".
La Nouvelle République considera este barulho mediático sobre a saúde do chefe do Estado como uma "cabala contra Eyadéma", orquestrada pela União das Forças de Mudança (UFC) de Gilchrist Olympio com vista a "criar confusão na direcção do Estado e daí aproveitar para destabilizar o regime.
.
.
".
Para Crocodile, Eyadéma estando doente ou não, "o povo deve saber.
É também constitucional!"

05 Setembro 2003 21:58:00


xhtml CSS